segunda-feira, 3 de agosto de 2009

EM BUSCA DA RAZÃO




O CANTO DA SEREIA



Senhores Praças da Policia Militar cuidado com o canto da sereia para depois não chorarem o leite derramado, estão tentando seduzi-los para terem legitimidade com proposta que não vai atender à aspiração da categoria no que diz respeito a ascensão profissional. Tornou-se uma prática comum atribuírem aos praças as mazelas que são responsáveis por levarem a Instituição ao caos e conduzi-la a todo um processo de falência. Quando o Chefe Maior vai a público e desclassifica seus subordinados omitindo os verdadeiros responsáveis pelo atual quadro, significa que a Instituição chegou ao fundo do poço e precisa ser repensada.
Os resultados negativos apresentados ao longo dos anos com um percentual muito baixo de aprovação, onde apenas 20% (vinte por cento) da população confiam na corporação, está demonstrando que o principal problema é o modelo de organização estrutural que além de não atender os interesses profissionais da categoria não foi capaz de promover uma prestação de serviço de qualidade para à sociedade.
O atual modelo hierárquico copiado das forças armadas, é excessivo, provoca engessamento, reduz consideravelmente o efetivo e abre espaço para a criação de cargos que não tem nenhuma relação com a atividade policial, serve apenas para justificar compensações como a gratificação de encargos especiais, que é inadmissível a sua concessão por ser o cargo compatível com o grau hierárquico conforme previsto respectivamente nas leis 443 e 279.
A importância do enxugamento dos graus hierárquicos proporcionará a redução do distanciamento salarial entre a base e o topo, aumentará expressivamente o efetivo na atividade fim e permitirá maior poder de decisão a todos os segmentos que estão diretamente ligados ao exercício da atividade policial, dando-lhes motivação e reconhecimento.
Essas são medidas que podem ser aplicadas imediatamente porque não vão gerar nenhum ônus financeiro para o erário público e surtirá o efeito desejado com a redução do crime, trazendo-o a patamares suportáveis levando uma maior tranqüilidade para a sociedade.
Como senão bastasse tantos equívocos os policiais militares, são obrigados a conviverem com uma cultura que até hoje é absorvida e induz a acreditarem na existência da função policial militar, como se a categoria fosse formada por acéfalos, a função policial é única e de natureza civil e não cabe nenhum tipo de adjetivo.





Vanderlei Ribeiro
Dir. Pres. ASPRA-PM/BM-RJ

2 comentários:

Anônimo disse...

TODOS UNIDOS POR UM IDEAL:
*PATAMOS
*RP
*POG
*APTRAN
*GAT
*COMBOIO
*CANIL
*CABINES...
UNIDOS POR CONDIÇÕESE SALÁRIO DIGNO
"DIA 12 DE AGOSTO PERAOÇÃO PADRÃO"

VAMOS LOTAR AS DELEGACIAS COM OCORRÊNCIAS!!!!

PAULO disse...

queria saber por que motivo as associaçoes de praças da pmerj não atuam em nossos interesses, não é possível que não se mobilizem a nossos interesesses